terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Estou voltando daquele jeito viu amigos e amigas visitantes e seguidores!

 Muito boa noite caros leitores(a) deste nosso Blog! 
Tá, tá táááááá! Até sei que já faz uma cara (muito tempo) em que estive aqui... No entanto não os esqueci jamais, é que na verdade estava um tanto desanimado em escrever devido a vários factores que me tem entristecido sobre a situação de nosso País e seus governantes... Embora esteja eu vetado de votar dando campos a minhas aspirações partidárias fico demasiadamente magoado ao perceber que muitos de nossos eleitores ficam cegos ou se fazem no momento de decidir em qual mãos entregar seu bairro, cidade, capital e País.
Mas animem-se pois o que lhes trago aqui nada mais é que uma SALVAÇÃO em super-dicas que lhes facilitarão a VIDA de todas as donas CASA ou homens SOLTEIROS e também das SECRETÁRIAS dos LARES.
Aqui lhes deixo o link de um site SAVA_VIDAS que lhes trazem tudo o quanto precisamos para deixar de sofrer ao menos uns setenta por cento senão mais em relação a problemas enfrentados nos trabalhos diários que todos nós temos de enfrentar em nossas casas ó:
http://www.almanaquesos.com/78-dicas-que-vao-mudar-e-facilitar-a-sua-vida-parte-2/#
copia esse link e verás com os próprios olhos queridinhas e queridinhos do gatto!
Está aqui ainda lindas(o)? vai lá fofas e fofos e depois não esqueçam de voltar aqui e deixar seus agradecimentos pelo caminho da salvação dos sofrimentos residenciais, industriais e caseiros.
A dica está dada viu, agora deixo-lhes aquele beijo do gatto e aquele miau a todos vocês e peço-lhes que voltem sempre e que se possível se inscrevam e seguir esse blog e o compartilhem para nos dar aquela ajuda e nos incentivar em escrever sempre mais e mais postagerns como essa ok. 

terça-feira, 2 de maio de 2017

Tijolo Ecologico

SEXTA-FEIRA, 24 DE AGOSTO DE 2012


Adobe - Como fazer Tijolo Ecológico de Barro, Água e Esterco

Tijolos ecológicos
Tijolo sem cimento - Para fabricar os tijolos de adobe você precisará de terra, esterco fresco de vaca ou cavalo, palhada, água e formas  - Passo a Passo para fazer o tijolo ecológico Adobe - Barro -  Por Karen - Técnicas Construtivas

Tijolos Ecológicos
Casa de Adobe em Santa Fé - Tijolos Ecológicos - Foto Wikipedia

Adobe - Como fazer Tijolo Ecológico de Barro, Água e Esterco 

Por Marise Jalowitzki
24.agosto.2012
http://compromissoconsciente.blogspot.com.br/2012/08/adobe-como-fazer-tijolo-ecologico-de.html

Um amigo perguntou se seria possível fazer tijolo ecológico apenas com barro. Pesquisando, encontrei no Wikipedia, o termo Adobe e uma rápida explicação:
" Adobe - essa técnica consiste em moldar o tijolo cru em formas de madeira, onde o bloco de terra é seco ao sol, sem que haja a queima do mesmo. A mistura a ser moldada pode ser feita apenas com água e terra ou com o acréscimo de estabilizante e fibras naturais. Amassando com os pés, forma-se uma mistura plástica. Os tijolos de adobe são usados em paredes, abóbadas, cúpulas, entre outras." (Wiki)

Jorge Mendes enviou o seguinte esclarecimento: "O superadobe foi inventado em 1984 por Nader Khalili do Irã em resposta a um concurso da NASA para edificações na Lua." 

Sim, pode ter sido o "oficialmente reconhecido", mas, sabe-se, há habitações com mais de 300 anos na América Latina e outros lugares, feitas de barro!

Continuei pesquisando e descobri esta joia de artigo, explicando tudo. Vai ele transcrito na íntegra. Desejo exitosas construções!



FABRICANDO TIJOLOS DE ADOBE

Posted 29 de julho de 2009 by Karen in Técnicas Construtivas

A preparação para o curso de bioconstrução me apresentou o desafio de fabricar tijolos de adobe. 
Muito havia ouvido falar mas nunca tinha estado, conscientemente, perto de um tijolo de adobe e muito menos fazia idéia de como seria fabricá-los.
Bem, tive que me virar e fiz conforme me foram indicando meus amigos Jorge, Tomaz e Cecília. E qual não foi minha surpresa ao ver meus tijolinhos darem certo.
Para fabricar os tijolos de adobe você precisará de terra, esterco fresco de vaca ou cavalo, palhada, água e formas.
MATERIAIS
A composição ideal da terra deve ser 60 a 70% de areia e 30 a 40% de argila.
Para verificar essa característica pegue um frasco de vidro grande e de boca larga. Preencha com a sua terra até 1/3 do volume e depois complete com água até 2/3 do volume.
Para o meu  teste utilizei garrafas pet, mas me pareceu que não aconteceu uma boa separação do material, assim, recomendo que se use potes de vidro mesmo!
Faça uma agitação bem intensa e depois deixe descansar. As partículas irão se separar e a areia irá para o fundo ficando a argila por cima. Por último fica a água que deve estar bem límpida. Medindo a altura da areia e da argila se define a porcentagem de cada uma.
teste terra
A terra que será utilizada deve ser retirada a partir de uns 50cm de profundidade, pois a camada mais superficial costuma ter boa quantidade de matéria orgânica em decomposição (serrapilheira, raízes, restos de animais e plantas,…) e esse material pode influenciar negativamente na qualidade do tijolo.
No meu caso a proporção estava ao contrário, muito mais argila que areia, por isso comprei areia para preparar uma boa mistura de terra. Para a mistura usamos 7 pás de areia para 3 pás de terra.
Como aditivos usa-se o esterco e a palha.
O esterco ajuda na estabilização química do tijolo e a palha na estabilização física.
As formas podem ser feitas de madeira ou metal. Quanto mais lisas forem as paredes internas mais facilmente se solta o tijolo. As dimensões variam de acordo com a necessidade, mas seria bom que o tijolo tivesse o comprimento igual a duas vezes a largura e a altura próximo à medida da largura. É conveniente colocar “abas” para levantar a forma.
Podem ser individuais, duplas ou quádruplas, ter formatos variados, por exemplo, em formato de cunha, com cantos arredondados, meio-tijolo, …
Fizemos formas simples e duplas de madeira. As dimensões são 20cm x 10cm x 10cm.
forma dupla
forma simples
modelos formas
O PREPARO
Para preparar a massa faça uma pequena depressão no solo e cubra com uma lona plástica grande. Coloque os ingredientes e vá pisando para juntar tudo. Acrescente a água, bem devagar. A massa deve ficar bem plástica e moldável. Muita água e perde a forma, muito seca, se esfarela.
A quantidade de água é variável e depende do grau inical de umidade do material utilizado (terra, areia).
O esterco utilizado deve ser fresco, de preferência.
Na minha “fábrica” fizemos algumas experiências.
Para a primeira receita utilizamos uma betoneira, que eu já tinha. Misturamos a terra, a areia, o esterco e a água. À medida que a betoneira ia trabalhando percebemos que a água começou a “sobrar” e a massa ficou mole. Acrescentam0s mais terra, areia e esterco.
betoneira 1
A terra e a areia que utilizamos estavam muito molhadas devido à chuva dos dias anteriores, por isso acredito que acabamos usando pouca água na mistura.
Na receita seguinte colocamos bem pouca água  e a massa ficou com boa consistência.
Para a terceira receita utilizamos a lona plástica e a betoneira. Misturamos a terra com a areia e o esterco na betoneira, despejamos na lona e fomos pisando enquanto acrescentávamos a palha e a água. Quando fizemos essa receita a terra estava mais seca e então usamos mais água.
Ficou muito bom. De início achei que coloquei muita palha, aí acrescentei mais da mistura básica e cheguei a um bom ponto.
Depois de bem amassada comece a fazer os tijolos. Molhe as formas pois assim os tijolos saem com mais facilidade.
Faça bolas com a  massa e jogue dentro da forma preenchendo bem os cantos. Retire o excesso de massa e desenforme o tijolo.
Tijolo e forma
Após retirar o tijolo passe a forma novamente na água e retire qualquer resíduo que tenha ficado grudado.
molhando formas 1
Os tijolos são postos para secar e depois de dois dias devem ser virados.
tijolos secando
Para a secagem completa dos tijolos pode demorar de poucos a vários dias dependendo das condições climáticas e da quantidade de umidade inicial do tijolo.
Em períodos mais úmidos é mais demorado, períodos mais secos e ensolarados seca mais rápido.


Conheça outras opções, neste blog:



Tecnologia primitiva traduzido

Copiado dá internet 2
Experiência em tecnologia de construção primitiva. Para cortar e esculpir madeira eu usei o machado de pedra celt e cinzel de pedra feitas neste vídeo. Para transportar água e fazer fogo eu usei potes e varas de fogo feitas neste vídeo. Finalmente, para armazenar madeira de fogo e telhas secas, não cozidas, eu usei o galpão de madeira construído neste vídeo. A estrutura de madeira foi construída com uma planta de 2X2m e uma linha de cume de 2m de altura com paredes laterais de 1m de altura. 6 postos foram colocados no solo 0,25 m de profundidade. As 3 vigas de telhado horizontais foram anexadas a estas usando mortise e tenon articulações esculpidas com um cinzel de pedra. O resto do quadro foi amarrado junto com tiras advogado de cana. A moldura balançou um pouco quando empurrado para posterior aderência triangular foi adicionado para parar isso. Também quando a parede de lama foi construída, envolveu os postes e os parou movendo completamente. Um pequeno forno foi construído de lama do chão e um piso perfurado de barro do banco de riacho. Era apenas 25 cm de diâmetro interno e 50 cm de altura. A argila foi escavada, os azulejos quebrados (dos lotes precedentes) foram esmagados e adicionados a ele como o grog e foi misturado completamente. Esta argila foi pressionada em moldes retangulares feitos das tiras da benção do advogado para dar forma às telhas. As cinzas de madeira impediram que a argila ficasse na pedra. 20 azulejos foram demitidos por vez. 450 telhas planas e 15 azulejos curvo cume foram feitas com apenas algumas rupturas. 26 disparos foram feitos em todos e o disparo médio demorou cerca de 4 horas. As telhas ateadas fogo foram então enganchadas sobre os tachos horizontais do telhado. Um sistema de aquecimento por piso radiante foi construído em um lado da cabana para atuar como uma plataforma de estar / dormindo em tempo frio. Isto foi inspirado pelo coreano Ondol ou "pedra quente". Uma trincheira foi cavada e coberta com pedras planas com uma lareira em uma extremidade e uma chaminé na outra para o projecto. As chamas viajaram sob o chão, aquecendo-o. Depois de dispará-lo por um tempo as pedras ficar quente durante toda a noite com o calor conduzido diretamente para o ocupante dormindo e irradiando para o quarto. O muro era de lama e pedra argilosa. Um calçamento de pedra foi estabelecido e sobre isto uma parede de lama foi construída. Para economizar na lama, as pedras foram incluídas em cursos de parede mais tarde. A lama foi cavada de um poço em frente à cabana e deixou um grande buraco com um volume de cerca de 2,5 metros cúbicos. A cabana terminou tem uma porta giratória feita de varas. O interior é escuro, então eu fiz uma tocha de resina de árvore. Uma telha quebrada com resina atua como uma pequena lâmpada produzindo muita luz e pouco fumo. O produto final era uma pequena cabana sólida, que deveria ser resistente ao fogo e à podridão. Todo o projeto demorou 102 dias, mas teria levado 66 dias se não fosse por chuvas intempestivas. Para uma descrição mais detalhada veja meu blog

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Copiado da internet

Ir para o conteúdo
ABRIR MENU
Pesquisa
 FAZENDO COISAS DO ZERO NA NATUREZA
Martelo a óleo (Monjolo)
28 DE ABRIL DE 2017
PRIMITIVETECHNOLOGY
3 COMENTÁRIOS

Eu construí um martelo de água chamado um "Monjolo". Comecei fazendo um bico de água de meio tronco oco para dirigir a água do riacho. Esta foi criada no riacho e água fluiu através dele. O martelo foi feito de uma árvore caída. Eu cortá-lo ao tamanho por queimá-lo nos pontos que eu queria cortar (para economizar esforço cortar). Em seguida, eu esculpé uma calha em uma extremidade para pegar a água caindo. Isto foi feito primeiramente com um formão de pedra que fosse então hafted a um punho em forma de L e usado como um adze. Esta adze só levou cerca de uma hora para fazer como eu já tinha a cabeça de cinzel e corda feita de fibra de casca para ligá-lo com.

Para economizar mais esforço esculpindo eu usei brasas do fogo para carbonizar a madeira no cocho. Eu coloquei o carvão em usar "pauzinhos" (eixos de seta não utilizados) para transferi-los do poço. Os carvões foram ventilados ou soprados com um blowpipe de madeira até que a madeira na calha queimou. Então o char foi raspado para fora. Os lados da calha foram selados com argila para se certificar de que os lados de madeira não queimar, o que efetivamente diminuir o volume da calha. Isso foi aproximadamente 8 horas de trabalho durante dois dias.

Com a calha esculpida fiz um buraco no meio do tronco como um ponto de pivô. Usando o mesmo char e raspar o método que eu queimei um furo para a direita através do registro usando carvões quentes e um tubo de sopro. Novamente a argila foi usada para impedir a queima de lenha onde se queria. Para queimar o diâmetro de aproximadamente 25 cm de diâmetro levou cerca de 4 horas e 30 minutos. Outro buraco foi queimado no final para caber a cabeça de martelo de madeira e levou uma quantidade de tempo semelhante.

Um tripé amarrado com bastão de loya foi montado no bico de água. O eixo do martelo estava amarrado a uma perna, o martelo colocado no axel e a outra extremidade do axel amarrado a outra perna. A calha foi posicionada sob a tromba para coletar água e o tripé ajustado de forma que o ponto de repouso do martelo ficasse horizontal (de modo que a água não saísse prematuramente da calha).

A calha cheia de água, superou a cabeça do martelo e inclinou o martelo para o ar. A água então esvaziou-se para fora da calha (agora inclinada para baixo) eo martelo, em seguida, bateu para baixo sobre uma pedra de bigorna retornando à sua posição original. O ciclo repetiu então na taxa aproximada de uma batida cada 10 segundos. O martelo esmaga pequenos tipos macios de pedra como arenito ou ocre. Eu esculpi uma tigela na pedra da bigorna de modo que recolhesse o pó. Eu então esmagado antiga cerâmica (útil como grog para novos vasos) e carvão. Praticamente falando, este martelo funcionou ok como uma prova de conceito, mas eu poderia ajustá-lo ou fazer um novo com uma calha maior e maior martelo para trabalhos pesados.

Esta é a primeira máquina que construí usando tecnologia primitiva que produz trabalho sem esforço humano. Queda de água substitui calorias humanas para realizar uma tarefa repetitiva. Um conjunto permanente geralmente tem uma vertente protegendo o martelo e materiais do tempo, enquanto a extremidade da calha fica fora sob o bico. Este tipo de martelo é usado para pulverizar grãos em farinha e eu pensei que eu poderia usar um para moer chips de mandioca seca em farinha quando o jardim amadurece. Este dispositivo também tem sido usado para esmagar argila para produção de porcelana. Uma cabeça de pedra pode torná-lo útil como um moinho de selo para esmagar minérios em pó. Pode polpa fibras para papel mesmo.

Forno de barro e cerâmica
24 DE MARÇO DE 2017
PRIMITIVETECHNOLOGY
29 COMENTÁRIOS

Eu construí este forno de cerâmica e alguma cerâmica da argila de montículo de cupim para testar uma fonte de argila alternativa ao meu usual do banco de riacho. Eu comecei fazendo uma grade grande da argila ordinária. Tinha pouco menos de 50 cm de diâmetro. Em seguida, eu tomei pedaços secos de ninho de cupins e colocá-los no poço em frente à cabana de telhado. Os pedaços foram esmagados e água foi adicionada para slake a argila. O barro foi pisado para misturá-lo. Folhas de palmeira mortas foram adicionadas ao barro para impedi-lo de rachar como ele secou e para adicionar isolamento para o forno. A mistura foi pisada novamente e depois retirada da cova. Uma trincheira foi cavada para formar a lareira do forno e uma parede de barro foi feita na frente da trincheira. Um buraco foi cavado na parede para permitir o fluxo de ar para a câmara de fogo.

A grelha foi colocada no topo da lareira e as paredes da câmara de mercadorias foram construídas em torno da grelha. Quando as paredes do forno foram terminadas, as barras de grelha feitas da argila do cupim foram colocadas no firebox. Grate barras são importantes para fireboxes como eles levantar a lenha do chão permitindo que o ar para mover-se através do leito de combustível para uma combustão mais eficiente. A queima de madeira como uma pilha no chão permite que o ar frio flua para cima e sobre as brasas, resfriando o forno e deixando o ar sem reagir com a lenha. Ele ainda funciona, mas é muito menos eficiente do que usar barras de grelha. O forno acabado tinha 50 cm de altura (acima da altura da grelha), 50 cm de diâmetro e com paredes com cerca de 12,5 cm de espessura. O poço / lareira tinha cerca de 25 cm de profundidade e 25 cm de largura com barras de grelha a meio caminho entre o solo e a grelha do forno circular acima.

Em seguida, para a argila de cerâmica, eu selecionei um monte de cupim construído em solo de argila vermelha. Eu levei para a área do forno e acalmou-o com água e misturou-o em um poço pequeno. Eu esmaguei acima de uma grade velha de um forno precedente e misturei-o na argila do termite como o grog. Grog impede cerâmica de rachaduras como seca e ajuda a evitar quebra quando atirando. Eu então moldado a argila em uma urna pequena. Eu também fiz algumas telhas de barril e um pote menor de argila de cupim. Em seguida, empilhei o forno com a cerâmica de térmitas (a urna, panela pequena e telhas de 5 barris) e alguns cerâmica feita de argila normal (o alojamento para o soprador de forja e telhas de 2 barris).

Para atirar a cerâmica, eu coletei uma grande pilha de madeira morta e comecei um fogo na lareira. Ouvi algumas explosões no forno no início e sabia que algo quebrou, mas continuou de qualquer maneira. Para evitar explosões você deve certificar-se de que todos os potes estão completamente secos e aquecer lentamente o forno. Dentro de uma hora o forno tinha aquecido bem e a cerâmica estava brilhando quente. Na segunda hora a temperatura desceu ilustrando um ponto importante: se você preencher a lareira com madeira, o forno o sufocará e não queimará eficientemente. Percebendo esse erro, deixei que a madeira queimasse um pouco para que mais ar pudesse passar. É importante observar o interior do forno e ver quão quente ele está brilhando, tente adicionar mais ou menos madeira e observar o efeito sobre a temperatura. Por 2 horas e 30 minutos o forno estava queimando agradàvel outra vez com toda a cerâmica que incandesce laranja baixa (aproximadamente 845 c ou 1550 f). Eu mantive-o a esta baixa temperatura de queima por mais 30 minutos. Todo o processo de queima levou cerca de 3 horas do início ao fim, um período relativamente curto de tempo para a queima de cerâmica.

Quando eu tirei a cerâmica para fora, uma telha tinha quebrado ea urna tinha spalled (um pedaço da panela externa quebrou) possivelmente devido a ainda ter umidade na mesma. A urna ainda era utilizável embora e eu usá-lo para regar o remendo de mandioca. O ventilador de forja foi bem disparado e agora é imune a danos causados ​​pela água, já não precisam ser cuidadosamente protegidos da chuva. Eu coloquei no galpão barril telha para armazenamento. Eu coloquei o azulejo quebrado e pedaço de pedra da urna em um monte especial de cerâmica quebrada. Quando eu faço cerâmica no futuro eu posso esmagar esses potes quebrados e misturá-lo para a nova argila como grog para fortalecer os novos itens de cerâmica. Finalmente, eu armazenei as telhas boas na cabana telhada do tambor como substituições para telhas quebradas nessa estrutura deve lá ser algum dano no futuro.

Termite argila é bom material para fazer fornos e um substituto OK para a cerâmica boa argila deve ser difícil encontrar uma fonte melhor. As térmitas já processaram a argila pelo fato de que suas bocas são muito pequenas para incluir varas e seixos em suas estruturas. Como resultado, a argila é muito lisa e plástica. Muito liso para o meu gosto, na verdade, eu estou acostumado a trabalhar com argila mais grosseira que tem misturado silt-lo naturalmente. Acho que a argila de cupins é ou muito mole quando molhada ou rachaduras muito facilmente quando seca. Foi difícil formar em formas complexas e me levou 2 tentativas de fazer a urna. Mas para a formação de objetos como azulejos é OK, ele pode ser pressionado em forma e que irá realizar sem dificuldade. No futuro, eu seria provável usar argila de cupim para a produção em massa de objetos formados, como tijolos, telhas, Potes simples (formados sobre um molde) e, possivelmente, tubos, conservando assim o fornecimento de argila decrescente do banco de riacho que eu vou economizar para mais cerâmica intrincada. Em resumo, a argila da térmita pode ser usada para produzir a cerâmica básica se nenhuma outra fonte pode ser encontrada. Se você tem um ninho de cupim você pode fazer cerâmica básica a partir dele.

Plantar mandioca e inhame
24 DE FEVEREIRO DE 2017
PRIMITIVETECHNOLOGY
7 COMENTÁRIOS

Neste vídeo eu construir um jardim para cultivar mandioca e inhame, duas culturas de alimentos básicos. A mandioca é um arbusto que desenvolve grandes raízes comestíveis. Os inhame são uma videira de escalada que produz grandes bulbos subterrâneos comestíveis e lâmpadas aéreas menores em suas videiras.

Eu tinha 5 cabanas, mas a cabana de acácia e daub (do primeiro vídeo carregado neste canal quase 2 anos atrás) tornou-se dilapidado. Abandonei-a em favor das outras cabanas que construí e negligenciei o telhado. Isso deixou a água destruir uma parede. Além disso, o remendo de batata doce atrás dele tinha uma queda de árvore através dela destruindo a cerca. Então eu demoli os dois para fazer um grande jardim.

Depois de remover a cerca, acendi um fogo debaixo da árvore caída para queimá-la ao meio, em vez de gastar o esforço de cortá-la com ferramentas de pedra. Depois de queimar quase todo o caminho, choveu. Então eu voltei mais tarde e cortei o resto do tronco com ferramentas de pedra. Eu eventualmente quebrei a árvore ao meio. Usando pequenos troncos como alavancas, movi a árvore para fora do jardim limpando o espaço para o jardim.

Eu então coletei madeira e construí uma cerca simples que foi tecida vagamente junto com videira. A cerca só precisa de desencorajar grandes animais de entrar para impedi-los causando danos. Na maioria das vezes porcos e wallabies não sabem que o alimento em crescimento no jardim e não tentar entrar se eles não vêem razão para. Ou pelo menos que trabalhou para as batatas-doces, então vamos ver se funciona desta vez.

Para o inhame e material de plantio de mandioca eu viajei muito para baixo fluxo para o local da minha antiga cabana de pedra que eu construí mais de 10 anos atrás. Tinha um telhado de cúpula corbelled que foi danificado quando uma árvore caiu nele durante um ciclone e veio para baixo alguns meses mais tarde. As paredes grossas no entanto, permaneceram em pé por cerca de uma década embora.

Iams e mandioca cresceu selvagem neste local que é uma das razões que eu construí a cabana de pedra lá. Estas plantas não são nativas da Austrália, mas crescem selvagens aqui depois de ter escapado dos jardins das pessoas (semelhante a como os porcos selvagens vivem aqui agora, depois de escapar de fazendas). O material de plantio para os inhames são os bulbos que crescem nas videiras. O material de plantio para a mandioca são simplesmente pedaços de haste de 25 cm de comprimento.

Ao regressar ao jardim, viu-se um peru escavado nos montes. Protegido por lei, este pássaro perdeu seu medo de seres humanos e neste caso eu semi-domesticado. Originalmente foi atraído para o solo que eu desenterrado para os vermes que expostos. Eu comecei a deixar um pote com pequenas batatas-doces para comer e agora investiga qualquer cerâmica que eu deixo para o alimento. Agora ele visita meus projetos e só vai deixar se entediado ou perseguido. Suponho que isto é semelhante ao modo como os frangos foram domesticados, de facto os perus de arbusto e os frangos estão relacionados e produzirão prole híbrida.

Infelizmente, aprendeu que o jardim contém comida. Originalmente, eu só ia plantar inhames, mas eu vi o peru escavando-os e comê-los. Então, eu plantei mandioca nos montes para que o peru seria desencorajado por encontrar apenas hastes de madeira para peck. Eu plantava secretamente os inhames ao longo da cerca do jardim porque o peru pensa somente que os montes contêm inhames. Eles não podem cheirar muito bem e só encontrar comida pela visão e comportamento aprendido.

Eu plantei a mandioca em montículos de 1 metro de distância, empurrando-os para o chão. Eu plantei os inhames em intervalos ao longo da cerca para que eles pudessem usá-lo como uma treliça. 32 hastes de mandioca e 12 inhames foram plantadas. Então uma tempestade começou e regou o jardim. Em menos de uma semana a mandioca germinou brotos e começou a crescer. Os inhames levarão mais tempo enquanto eu os plantarei mais fundo.

A mandioca produz mais calorias por tempo e espaço de qualquer planta além da cana-de-açúcar e da beterraba sacarina. Mas exige muito menos fertilizante e esforço. Um hectare de mandioca produz calorias suficientes em 2 dias para sustentar uma pessoa por 1 ano. Demora um ano para vir para a colheita, mas vai ficar no chão por um ano sem se tornar arborizado. Os tubérculos são ricos em amido e são o que tapioca é feita.

Esta variedade é chamada mandioca doce (na verdade não mandioca amarga, não gosto doce, mas amido em vez) e ele precisa ser fervido por 20 minutos para se livrar de algum cianeto que contém. A variedade amarga contém níveis tão elevados que mata se comido cru e requer tratamento mais extensivo para comer. Não há muita nutrição na mandioca, além da grande quantidade de calorias que contém, para que outros alimentos sejam necessários para fornecer proteínas e nutrientes.

Depois de colher a mandioca que plantei, vou tentar fermentá-la (o que acrescenta nutrição), secando-a e batendo-a em farinha para fazer pão plano. A farinha de mandioca tem o mesmo conteúdo energético que a farinha de trigo, armazena bem e tem gosto similar. Ou eu poderia simplesmente cozinhá-lo e comê-lo diretamente do jardim. Vou usar os inhames como batatas quando estiverem prontos.

Bed Shed
27 DE JANEIRO DE 2017
PRIMITIVETECHNOLOGY
16 COMENTÁRIOS

Eu construí um abrigo de cama, um pequeno abrigo com uma plataforma de dormir construída nele. É mais rápido para construir do que uma cabana grande, mas pode ser prorrogado mais tarde, quando materiais e tempo tornam-se disponíveis. Não fica longe do Domo em forma grass hut I construção anteriormente.
A cabana tem 2 m de comprimento e 1 m de largura. Quatro postes foram martelados no solo, dois postes de 1 m de altura (1,25 m de comprimento, 25 cm de metro) no lado baixo e dois postes de 2 m de altura (2,25 m de comprimento, 25 cm de metro) no lado alto. Sobre isto, um rafters inclinado foi chicoteado sobre com a cauda do peixe espera-um-quando, uma palma spiky com um vine como o hábito. Para remover a agulha como picos da planta, as folhas são puxadas para que as bainhas frond vir com eles. Isso fez amarras adequadas.
Battens foram então amarrados às vigas e fardos de grama longa da montanha foram coletados. Usando a videira do arbusto, os feixes foram amarrados aos batentes que começam no lado baixo e que continuam à parte superior de modo que a grama derramara a chuva. Barras transversais foram amarradas ao quadro do galpão em cada extremidade para apoiar a cama. Estes estavam a uma altura de 1m acima do solo.
O próprio enquadramento foi feito a partir de quatro pólos (dois de 2 m de comprimento e dois de 75 cm de comprimento) amarrados juntos para formar um retângulo de 1,75 m de comprimento e 75 cm de largura (as extremidades dos dois pólos mais compridos se estendem para Galpão). Advogado cana foi então envolveu formas de comprimento sobre o quadro para criar linhas horizontais. Então mais cana de advogado foi tecida entre estes fios para formar uma sorte de rede de mola de cama. A moldura da cama foi então colocada sobre as barras transversais e testado para ver se ele poderia manter meu peso. Um tapete que eu fiz de casca de tecido em um vídeo anterior foi usado para cama e um monte de grama para um travesseiro. Em uma tempestade, foi possível fazer um incêndio no espaço debaixo da cama.
Esta estrutura é rápida e fácil de construir. A cama é de 1 m acima do solo e oferece uma abundância de área abaixo para armazenar lenha e ferramentas de chuva, bem como um lugar para sentar e fazer as coisas. A cama é confortável e mantém o ocupante do chão longe de ground criaturas de habitação à noite. A fumaça subindo do fogo mantém os mosquitos longe, proporcionando calor e luz refletida de volta do telhado. Em tempo bom o fogo pode ser colocado na frente do abrigo ao ar livre enquanto durante a chuva o fogo pode ser mantido sob o abrigo para mantê-lo seco. Se o quarto é necessário para levantar-se a cama pode ser dobrado contra o telhado e amarrado a ele usando cordas.
Este galpão é literalmente uma metade da cabana rectilíneo padrão que eu costumo construir (2m x2m plano de chão, linha de cume de 2m de altura e paredes laterais de 1 m de altura, por exemplo, de cabana de acácia e cabana e vídeos de cabana de azulejos) e foi construído para ser atualizado. Mais tarde, o outro lado do telhado poderia ser adicionado em e, em seguida, paredes de algum tipo construído em torno do quadro para formar uma cabana cheia.

Água doce, camarão, armadilha
4 DE NOVEMBRO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
13 COMENTÁRIOS

Eu construí uma armadilha de camarão de cana advogado, varas e videira. Em seguida, peguei alguns camarões e comi-los.
Camarão (e peixe) armadilhas são armadilhas simples projetado para pegar a vida aquática devido à sua forma. É constituída por uma cesta simples com entrada em forma de funil. Gambas facilmente encontrar o seu caminho para a armadilha como eles são canalizados, mas têm dificuldade em encontrar a saída.
Eu teclei o corpo principal da armadilha de advogado de cana, em seguida, fiz o funil de varas com videiras tecidas entre eles. O funil foi então inserido no topo do cesto e estava completo.
Eu coloquei a armadilha na água sob algumas raízes de árvore sem qualquer isca. Cerca de 10 minutos mais tarde pegar o primeiro camarão que eu guardado em um pote de água. Eu peguei outro e fiz um fogo.
Eu matei humanamente os camarões usando o método de divisão que destrói o sistema nervoso central (ferver vivo é mais doloroso). Então eu colocá-los de volta na panela com água. Eu coletei alguns inhames que eu plantei há anos de estoque selvagem e os coloquei também.
Peguei 5 pedras quentes do fogo e as coloquei na panela ferver o conteúdo. Os camarões ficaram vermelhos depois de cozinhar. Eles foram descascados e comidos. Os inhames também foram descascados e comidos.
Este método de captura de camarões é fácil com a única habilidade necessária sendo cestaria. Na prática, um longo trecho de riacho pode ter várias armadilhas coletando comida todos os dias sem qualquer esforço por parte do pescador. Isca não é necessário para capturar camarões como eles serão naturalmente ser atraídos para a armadilha de peixe por curiosidade. Mas recados de camarão anterior pode ser usado para trazer novos (eles são canibais) ou outros peixes como enguias. A armadilha de camarão é fácil de construir e pode ser reutilizado muitas vezes.

Editar: Este é um camarão e não um camarão como eu originalmente chamado. Aqui está a diferença: https://museumvictoria.com.au/discoverycentre/infosheets/what-is-the-difference-entre-prawns-and-shrimp/.

Lançador de lança
7 DE OUTUBRO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
4 COMENTÁRIOS

Um lançador de lança é uma ferramenta simples que permite ao usuário jogar uma lança mais longe do que sozinho. É um pequeno comprimento de madeira com um gancho no final que se encaixa em um entalhe na parte de trás da lança. A potência extra e distância ganha pelo lançador é devido à alavancagem extra que dá.

Eu cortei um pequeno ramo com um ramo menor saindo do lado. Eu formei o ramo menor em um esporão para caber no final da lança. O lançador tinha cerca de 65 cm de comprimento. Para a lança, cortei uma mola fina de aproximadamente 2 m de comprimento e cerca de 1,5 cm de espessura. Eu esculpé um copo no final da lança para o estímulo para se encaixar. Então eu amarrei a parte de trás da lança com fibra de casca para evitar que a madeira se separe. A cabeça da lança foi simplesmente carbonizada no fogo e desmantelada contra uma pedra para aguçar (durante a prática a cabeça regularmente quebra, de modo que apenas uma ponta afiada é usada para salvar o trabalho).

Para usar o lançador de lança, o estímulo do atirador é inserido no copo da lança. A lança e o atirador são mantidos aproximadamente à altura dos ombros. O lançador é rapidamente movido para a frente e a lança propeliu para o alvo. À medida que a lança deixa o lançador, ele se dobra ligeiramente armazenando energia até saltar do estímulo. Durante o vôo, a lança flexível oscila e oscila paradoxalmente dando a lança alguma estabilidade em vôo.

Os lances no vídeo mostram o que pode ser feito em uma tarde de prática (meu braço ficou dolorido e eu queria começar em outros projetos). Eu bati o alvo algumas vezes a uma distância de 15 m. É mais poderoso do que uma lança jogada à mão sozinha, mas é difícil de aprender. A lança que eu fiz poderia ter sido uma fração mais leve e assim teria maior velocidade. Outra melhoria seria adicionar vôos para a lança para que ele seria mais preciso e voar mais reto (como um atlatl).

A energia extra obtida com o uso de Woomera (lançador de lança australiano) foi calculada como 4 vezes a do arco composto (Wikipedia). É fácil de fazer (isso levou menos de um dia), mas exige muito treinamento para se tornar preciso.

Barrel Tiled Shed
16 DE SETEMBRO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
6 COMENTÁRIOS

Eu construí um telhado telhado coberto para fornecer um abrigo à prova de fogo e à chuva para trabalhar em projetos durante o tempo molhado e para armazenar lenha. O galpão abriga o próprio forno usado para acionar suas próprias telhas.

Eu cortei madeira usando a machadinha de pedra e levei-a para o local de construção. 6 Postos eretos estavam presos no chão cerca de meio metro. Mortices foram cortados nas vigas horizontais usando um formão de pedra para começar, então tinha lá mortices ampliado usando carvões quentes e um tubo de sopro para queimá-los mais. Estas vigas foram colocadas no lugar e vigas foram amarradas com advogado cana. A madeira que as telhas se sentam em cerca de 50 cm de distância. A moldura acabada era de 2 x 2 m em planta, 2 m de altura na linha de cume e 1,5 m de altura nos lados. Este ângulo do telhado é aproximadamente 22.5 graus, metade do passo das cabanas que eu faço geralmente. Isso levou cerca de uma semana, mas eu fiz isso há cerca de 4 meses e deixou a madeira no site porque eu estava ocupado em outros vídeos

Em seguida, fiz um forno. Eu fiz uma cesta para tornar mais fácil para carregar argila do riacho. Eu cavei uma trincheira para a lareira do forno e fiz uma abóbada de barro sobre ela usando arcos de vara para apoiá-lo. Buracos foram colocados no cofre para que as chamas passassem. A forma do forno era um cubo com um telhado abobadado. Foi feito de lama no local (argila do riacho é muito bom para construir um forno com e é melhor utilizado para cerâmica). Grate bares foram colocados no firebox para aumentar a eficiência de queima de madeira, deixando o ar subir através da madeira em vez de sobre ele. Isso só levou cerca de 3 dias para construir deixando secar lentamente.

Para fazer as telhas, a argila foi recolhida e teve os bastões e as pedras removidos dele. Então eu esmaguei velha cerâmica quebrada e telhas eu fiz antes que eu misturei com as argilas como grog (pára barro de rachar). Um quadro de azulejo foi feito de um pedaço dividido de advogado de cana dobrado em uma forma trapezoidal cerca de 50 cm de comprimento, 20 cm na extremidade larga e 16 cm na extremidade estreita. Esta foi colocada sobre uma pedra plana. As cinzas de madeira foram colocadas para parar a argila que adere à rocha. A argila foi pressionada para a fama e a telha molhada foi deslizada sobre um pedaço de madeira curvo para formar a forma curva da telha barril. A telha foi então movido imediatamente para uma área plana eo pedaço de madeira foi deslizado para fora, então o azulejo estava no chão para secar. Sendo curvado, o ar poderia ficar debaixo do azulejo para ajudar a secar.

Eu poderia fazer 30 telhas facilmente em um dia e só tinha 150 para fazer. Mas continuou chovendo e destruindo os azulejos antes de secarem. Então eu tive que fazer 30 azulejos, deixá-los secar o suficiente para ser movido, em seguida, levá-los para a cabana de azulejos onde foram forçados secos sobre o ondol (fogo cama aquecida). A maioria do tempo gasto neste projeto foi re-fazer azulejos quebrados devido à chuva unseasonal (eu não penso que nós temos uma estação seca apropriada aqui anymore, este é o que prendeu acima minha outra cabana telhada demasiado). Portanto, toda essa parte provavelmente levou 4 semanas.

Despedir os azulejos foi fácil em comparação com a outra cabana de azulejos que eu construí. Eu poderia caber 30 telhas no forno ao mesmo tempo e tinha 150 telhas para o fogo. Os 5 disparos levaram 5, 4,5, 3,5, 4,5 e 3,5 horas. O primeiro provavelmente demorou mais tempo devido ao forno não estar seco ainda e o 4 º tiro levou um tempo devido à lenha molhada. Tiling o telhado também foi fácil. Começando em uma extremidade, os azulejos foram colocados de modo que a concavidade enfrentou acima ea extremidade estreita apontou na telha seguinte seguinte que actua como um tiro para que a água funcione para baixo. As folgas entre essas telhas foram cobertas usando uma telha com a concavidade virada para baixo ea extremidade estreita apontando para cima sob a telha seguinte acima. A crista da cabana foi coberta com as mesmas telhas entrelaçadas para manter a chuva para fora. O baixo teto do telhado, o peso e fricção das telhas,

O telhado derrama chuva e é à prova de fogo. Isso proporcionará um local de trabalho para projetos relacionados ao fogo em todas as condições meteorológicas. As paredes não foram construídas como este é um lugar para trabalhar e armazenar lenha, não dormir e ficar quente. Além disso, a luz pode entrar por isso é fácil de ver durante o trabalho. O forno funcionou ok e foi capaz de lidar com um maior volume de telhas do que o forno anterior eu construí (tendo mais de 4 vezes o volume), embora eu possa investigar melhores projetos de forno no futuro para atingir temperaturas mais elevadas e usar menos lenha. O telhado deste galpão tem um ângulo mais baixo a meu outro significado das cabanas que tem mais headroom. Idealmente barril azulejos deve ser usado em cerca de 30 graus em oposição ao 22,5 eu usei, mas sendo um pequeno abrigo eu não acho que a água vai construir e seep através. Uma casa grande usaria um ângulo um pouco mais íngreme.

Forge Blower
29 DE JULHO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
32 COMENTÁRIOS

Eu inventei o Bow Blower, uma combinação da broca de arco e forjador de sopro para fazer um dispositivo que pode forçar o ar em um incêndio, sendo fácil de construir a partir de materiais naturais que ocorrem normalmente usando apenas a tecnologia primitiva. Comecei por atirar um fogo com um pedaço de casca para aumentar sua temperatura. É este princípio básico que eu aprimorei em todo o projeto.

Em seguida, fiz um ventilador rotativo a partir de dois pedaços de casca que se encaixam em ângulo recto entre si para formar uma simples pá de 4 pás de cerca de 20 cm de diâmetro e 5 cm de altura. As pás da ventoinha não estavam em ângulo e foram projetadas apenas para lançar o ar para fora do eixo quando girado. O rotor do ventilador foi feito dividindo uma vara de duas maneiras assim que deu forma a 4 dentes. O ventilador foi então inserido nas pontas e a extremidade amarrada para mantê-lo no lugar. Girar o rotor do ventilador para a frente e para trás entre as palmas das mãos abanou o fogo. Mas somente algum do vento gerado pelo ventilador alcançou o fogo. O resto estava soprando em outras direções, sendo efetivamente desperdiçado.

Então, eu construí uma carcaça de ventilador de argila sem fumaça para direcionar o fluxo de ar para o fogo. Este era basicamente um potenciômetro upturned com um furo na parte superior, um bico que sai do lado. A caixa tinha cerca de 25 cm de largura e 8 cm de altura. O buraco no topo e no bico tinham cerca de 6 cm de diâmetro, de modo que o ar que entrava era aproximadamente igual ao do ar que sai. A base do rotor do ventilador estava em uma tomada de madeira colocada no chão para torná-lo girar mais fácil eo topo do rotor protrusão do buraco na parte superior da caixa.

Agora, quando o ventilador girou, o ar entrou no buraco na parte superior da caixa e saiu do bico no lado. Importante, não importa o caminho que o ventilador gira, o ar entra sempre na entrada e no bico. O ar é jogado para fora em direção às paredes da caixa e só pode sair através do bico enquanto o vácuo no centro suga novo ar para dentro da caixa através da entrada. Um tubo de argila separado chamado um tuyere foi feito para caber sobre o bico para dirigir o ar para os carvões. Isto foi feito porque a tubulação que toca o fogo pode derreter afastado assim que é melhor fazer esta peça substituível.

Em vez de fazer uma grande roda e cinto de montagem para acelerar a velocidade de rotação, optei por um arco de 75 cm de comprimento. Eu fiz um quadro para segurar o rotor no lugar composto por duas estacas marteladas no chão com uma barra transversal com socked amarrada para segurar a parte superior do rotor. Eu fiz corda de fibra de casca e amarrei a ponta a um pau. Eu então looped o cabo ao redor do rotor e segurou a outra extremidade na mesma mão segurando a vara. Em seguida, empurrei e puxei o arco fazendo o rotor girar rapidamente, forçando ar para o fogo.

Eu fiz um forno de barro simples para o ventilador. Então eu coletei bactérias de ferro laranja do riacho (óxido de ferro), misturei com carvão em pó (carbono para reduzir óxido a metal) e cinza de madeira (fluxo para baixar o ponto de medição) e formou-lo em um tijolo cilíndrico. Enchei o forno de carvão, coloquei o tijolo de minério e comecei a disparar. O minério de tijolo derreteu e produziu escórias com minúsculas especificações de ferro de 1mm. Minha intenção não era tanto fazer ferro, mas mostrar que o forno pode atingir uma temperatura bastante alta usando este ventilador. Um forno mais alto chamado bloomery era geralmente usado nos tempos antigos para produzir quantidades utilizáveis ​​de ferro e consumia mais carvão, minério e mão-de-obra.

Este dispositivo produz uma explosão de ar com cada curso do arco, independentemente de ser empurrado ou puxado. O arco torna possível operar o soprador sem usar um conjunto de correia e roda complicado usado em sopradores de forja tradicionais. Há uma breve pausa no final de cada curso onde o ventilador pára de girar na outra direção, mas isso não é efetivamente diferente da explosão intermitente de um fôlego de ação dupla da Europa ou foles de caixa da Ásia. Os materiais utilizados (madeira, casca, fibra de casca e argila) estão prontamente disponíveis na maioria dos continentes. Nenhum couro, válvulas ou juntas de êmbolo ajustadas com precisão são necessários como com outros tipos de fole. Os cabos para este dispositivo desgastam-se muitas vezes para que um número de cordas de backup deve ser mantido à mão para substituição rápida. Em suma,





Cabana de grama
3 DE JULHO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
6 COMENTÁRIOS



Eu construí esta cabana de grama em cima de um cume. É mais ou menos paralelo com a cabana de azulejos e acácia e cabana daub que são um par de centenas de metros de distância para baixo em um vale. Eu construí-lo em um cume para ficar longe de mosquitos em tempo de chuva. Este projeto levou 7 dias para fazer. Eu olhei para um ponto e limpei isto no primeiro dia, construí o quadro no segundo, e passei o próximo 5 coletando grama. Grama é difícil de recolher nesta floresta seca e eu tive que subir mais para a montanha para obtê-lo.
O design é uma cúpula apontada simples que é fácil de construir. As ferramentas usadas eram simplesmente pedras afiadas e uma vara de escavação. Tem 2,5 m de largura e 2 m de altura. 8 advogado tiras de cana foram empurrados para o chão para formar as costelas da estrutura e aros de cana foram colocados sobre isso para anexar a grama. Vinha foi usado para amarrar o quadro e para amarrar punhados de grama longa para ele. Quando a cabana estava quase terminada uma tampa foi feita e levantada no topo da cúpula para terminá-lo.
Esta cabana é fácil de construir e abriga um grande volume. A forma é resistente ao vento e forte para os seus materiais. As lacunas podem ser vistas no thatch mas não se vendo directamente sob o significado que deve derramar a chuva bem. Um fogo deve ser possível na cabana, desde que seja pequeno e mantido em um poço no centro. A razão pela qual a cabana levou tanto tempo é devido à escassez de grama no morro. Poderia ser construído muito mais rápido em um campo. A forma é resistente ao vento e forte para os seus materiais. As lacunas podem ser vistas no thatch mas não se vendo directamente sob o significado que deve derramar a chuva bem. Um incêndio deve ser possível na cabana, desde que seja pequeno e mantido em um poço no centro. A razão pela qual a cabana levou tanto tempo é devido à escassez de grama no morro. Poderia ser construído muito mais rápido em um campo. A forma é resistente ao vento e forte para os seus materiais. As lacunas podem ser vistas no thatch mas não se vendo directamente sob o significado que deve derramar a chuva bem. Um incêndio deve ser possível na cabana, desde que seja pequeno e mantido em um poço no centro. A razão pela qual a cabana levou tanto tempo é devido à escassez de grama no morro. Poderia ser construído muito mais rápido em um campo.

Batata doce patch
20 DE MAIO DE 2016
PRIMITIVETECHNOLOGY
10 COMENTÁRIOS

Eu construí um cerco cercado e batatas-doces cultivadas (da civilização) e inhames (do selvagem) nele. Eu originalmente tinha um pequeno 3X3 m jardim atrás da cabana de acácia e daub que já tinha alguma batata-doce e videiras de inhame crescendo nele que foram plantadas depois que a cabana foi construída. Mas wallabies mantidos comer as folhas. Então eu fiz um cerco de acácia em torno dele para mantê-los fora. As cinzas de madeira foram adicionadas ao solo para fornecer potássio e fósforo para os tubérculos em crescimento.

O pequeno jardim anterior foi organizado em filas (não visto neste vídeo), mas isso era difícil de água durante o tempo seco. Então reorganizei o patch em um monte de 1 metro de largura com poços no centro. As videiras foram plantadas nos montes ea água derramada no centro de cada montículo regou as videiras. Então eu tinha um pequeno jardim com 9 montículos contidos nele. Eu decidi ampliar o patch para caber em mais montes, então eu tirei 2 lados da cerca e estendi-los por um metro cada. Assim, o patch acabou sendo 4X4m e continha 16 montes. Além da cinza da madeira, o molde da folha foi adicionado aos montes para a fertilidade e para reduzir a perda de umidade.

O patch, sendo no undertory floresta escura, recebeu apenas cerca de 2-3 horas de luz solar directa por dia para o rendimento foi decepcionantemente pequeno. No entanto, o patch produziu algumas pequenas batatas-doces e um único inhame maior. Eu também escolhi algumas dicas de crescimento verde da videira de batata-doce que também pode ser comido. Fervi os verdes um pouco em uma panela com uma pedra quente e comi as folhas. Eu então assado as batatas doces e inhame nas brasas do fogo. As batatas doces (tubérculo de pele roxa) gosto doce e amido, enquanto que o inhame (tubérculo de carne branca) tem gosto semelhante a uma batata comum. Depois de comer, tirei as cinzas do fogo e joguei-as de volta nos montes que foram colhidas, replantadas e regadas. No futuro eu iria plantar batata-doce em uma área que recebe muito mais luz solar, a fim de aumentar drasticamente a produção. Eu cresci a mesma variedade em casa e produz uma quantidade muito maior e tamanho de tubérculos em pleno sol. As cinzas de madeira também tendem a aumentar a produção de tubérculos e, portanto, é um bom uso para resíduos de cinzas.

A batata-doce é uma planta notável. É um alimento básico de muitas culturas tradicionais. A NASA considerou uma cultura potencial para ser cultivada em naves espaciais para missões de longo prazo. Em termos de produção de energia é apenas 3 rd atrás da cana de açúcar e mandioca. Produz o valor mais alimentar (uma combinação de energia comestível e nutrição) de qualquer cultura por unidade de espaço e tempo. Um estudo de fazendas de Fiji usando mão de obra manual mostrou que a relação de energia colocada em agricultura vs rendimento de energia era 1:17 para o arroz e 1:60 para a batata-doce. Cresce em solo marginal e não requer muito nitrogênio para crescer. Demora um período de crescimento relativamente curto de 3-4 meses para render. Todas as partes da planta podem ser comidas, incluindo as folhas que fornecem proteínas adicionais e nutrientes. Eu cresço a variedade roxa (porque gosto melhor na minha opinião), mas todas as variedades são nutritivos e evitar a subnutrição. Uma pessoa poderia ser quase auto-suficiente de um pequeno lote de batata-doce. Note que em climas mais frios, as batatas regulares poderiam ser cultivadas em vez de batata-doce.





POSTS MAIS ANTIGOS
Procurar por:
Search …

POSTAGENS RECENTES

Martelo a óleo (Monjolo)
Forno de barro e cerâmica
Plantar mandioca e inhame
Bed Shed
Água doce, camarão, armadilha
COMENTÁRIOS RECENTES

Touny no martelo psto água (Monjolo)
PrimitiveTechnology em Termite argila forno e cerâmica
Davecline sobre Água Powered Hammer (Monjolo)
Davecline sobre Água Powered Hammer (Monjolo)
Nils Montel em forno de cerâmica e cerâmica
ARQUIVOS

Abril de 2017
Março de 2017
Fevereiro de 2017
Janeiro de 2017
Novembro de 2016
Outubro 2016
Setembro de 2016
Julho de 2016
Maio de 2016
Abril de 2016
Março de 2016
Fevereiro de 2016
Janeiro de 2016
Dezembro de 2015
Novembro de 2015
Outubro de 2015
Setembro de 2015
Julho de 2015
CATEGORIAS

Sem categoria
META

registo
Entrar
Entradas RSS
Comentários RSS
WordPress.com
Procurar por:
Search …

POSTAGENS RECENTES

Martelo a óleo (Monjolo)
Forno de barro e cerâmica
Plantar mandioca e inhame
Bed Shed
Água doce, camarão, armadilha
COMENTÁRIOS RECENTES

Touny no martelo psto água (Monjolo)
PrimitiveTechnology em Termite argila forno e cerâmica
Davecline sobre Água Powered Hammer (Monjolo)
Davecline sobre Água Powered Hammer (Monjolo)
Nils Montel em forno de cerâmica e cerâmica
ARQUIVOS

Abril de 2017
Março de 2017
Fevereiro de 2017
Janeiro de 2017
Novembro de 2016
Outubro 2016
Setembro de 2016
Julho de 2016
Maio de 2016
Abril de 2016
Março de 2016
Fevereiro de 2016
Janeiro de 2016
Dezembro de 2015
Novembro de 2015
Outubro de 2015
Setembro de 2015
Julho de 2015
CATEGORIAS

Sem categoria
META

registo
Entrar
Entradas RSS
Comentários RSS
WordPress.com
CRIE UM SITE OU BLOG GRATUITO NO WORDPRESS.COM.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Tanto tempo

É, mais uma vez aqui, sei que não cumpri com minhas palavras quando prometi estar amiúde, mas são tantas coisas acontecendo em Constância que quando percebi , puf! Já se passaram anos e nem vi.
Hoje me lembraram desse meu Blog então resolvi visita- lo para deixar essa prévia de texto e mais uma vez me comprometer em estar assídua mente trabalhando nele. Agora o que me resta fazer é pedir-lhes encarecidamente que me perdoem e esperar por vossa compreensão.
E mais uma vez obrigado por estarem aqui.
Abaixo deixarei umas fotos de trabalhos e ações recentes. Espero que apreciem.
No mais aquele beijo e abraços do Gatto.
Miuauuuuu!



domingo, 1 de janeiro de 2017

Fluxo de funk no Jardim Aeroporto 3 em Mogi das Cruzes-SP

 Na noite do dia trinta e um do mês de dezembro passado aconteceu um movimento muito bom aqui na nossa quebrada, estou falando do fluxo de funk do jardim Aeroporto 3 em Mogi das Cruzes-SP, uma programação muito boa para quem busca entretenimentos na faixa.
Hoje as paredes vão tremer e os vidros das janelas irão chorar até o sol raiar!
Me parece que esse era a definição do slogan chamativo desse evento viu, pois amanhecia o dia e o som estava ali operante e frenético. Embora não tenha dados dos organizadores dessa festa posso falar que desempenharam seu trabalho com simetria,parabéns a todos os organizadores e a todos os moradores da quebrada que deixaram que a festa permanecesse até o horário previsto para seu término, sabemos que nem todos são admiradores desse tipo de som e podem até contestar pela ousadia do barulho, entretanto essa minoria não foram contra o evento e se o foram não se manifestaram deixando que fluísse com maestria e assim foi anoite toda até achegada da aurora e se estendeu até as dez da manhã.
Que venham mais eventos como esse para a quebrada, lembrando que sempre é preciso ter a permissão dos demais moradores para que ao invés de alegrar façam o contrário disso...